0 Compartilhamentos 150 Views

Grafeno pode tornar conexões até 100 vezes mais rápidas

16 de julho de 2013
Grafeno pode revolucionar telecomunicações

Grafeno pode revolucionar telecomunicações, em especial, a internet

De acordo com uma pesquisa feita por cientistas do Departamento de Física da Universidade de Bath, na Inglaterra, o uso de grafeno em telecomunicações pode acelerar as velocidades de internet em até 100 vezes.

Os cientistas publicaram um artigo na Physical Review Letters, demonstrando pela primeira vez taxas de resposta extremamente curtas utilizando o grafeno, o que poderia abrir caminho para uma verdadeira revolução nas telecomunicações.

Atualmente, as informações são transmitidas e processadas através de dispositivos optoeletrônicos, como fibra óptica e laser. Os sinais são enviados por fótons com comprimentos de onda infravermelhos, e processados ​​por switches ópticos, que convertem os sinais em uma série de impulsos de luz.

Normalmente, os switches respondem a uma taxa de alguns picossegundos – cerca de um trilionésimo de segundo. Mas, os cientistas da Universidade de Bath constataram que a taxa de resposta de um switch que utiliza uma pequena camada de grafeno é cerca de 100 vezes maior que a dos materiais utilizados hoje.

O grafeno é chamado de “o material do futuro”, e surpreende a comunidade científica e tecnológica a cada momento por conta de suas incríveis propriedades e infinidade de aplicações potenciais.

Quando o grafeno é acrescentado a outros compostos como matéria-prima principal, ou como componente de novos processos de laboratório e produção, o material possibilitará, entre outras coisas, separar o sal da água mais rápido que as dessalinizadores atuais e obter combustíveis para deixar os aviões mais rápidos e com um impacto ambiental menor. Além disso, a eficácia do grafeno como condutor elétrico é 100 vezes maior que a do silício, e o material é mais forte que diamante.

O grafeno é um alótropo do carbono, assim como o carvão e o diamante. Sua descoberta é datada da década de 30, mas não se prestou muita atenção nele, na época, pois acreditava-se que era um material muito instável termodinamicamente.

Apenas depois das descobertas dos cientistas Konstantin Novoselov e Andre Geim, que tiveram sucesso em isolar o material à temperatura ambiente, o grafeno ganhou a importância que tem agora. Em 2010, os dois pesquisadores russos receberam o Prêmio Nobel de Física por seus trabalhos com o material.

Você pode se interessar

Promoções de Jogos do Final de Semana (05/07)
Notícias
4 visualizações
Notícias
4 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (05/07)

Carlos L. A. da Silva - 5 de julho de 2019

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Como usar o WhatsApp com um telefone fixo
Dicas
6 visualizações
Dicas
6 visualizações

Como usar o WhatsApp com um telefone fixo

Carlos L. A. da Silva - 5 de julho de 2019

Versão do aplicativo aceita autenticação através de linha fixa e tem funcionalidades semelhantes.

5 fatos que todo departamento de TI pode aprender com Fortnite
Artigos
8 visualizações
Artigos
8 visualizações

5 fatos que todo departamento de TI pode aprender com Fortnite

Carlos L. A. da Silva - 1 de julho de 2019

O Departamento de TI de uma empresa não é apenas um lugar onde os caras jogam Fortnite o dia inteiro. Grandes desastres podem vir de lá também...

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

HTML // Dicionário do Programador
Vídeos
2 visualizações
2 visualizações

HTML // Dicionário do Programador

Thais Cardoso de Mello - 1 de julho de 2019
Promoções de Jogos do Final de Semana (28/06)
Notícias
8 visualizações
8 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (28/06)

Carlos L. A. da Silva - 28 de junho de 2019
FIREBASE Database na Prática com JAVASCRIPT PURO // Mão no Código #14
Vídeos
1,655 compartilhamentos6,807 visualizações
1,655 compartilhamentos6,807 visualizações
Como baixar o novo Windows Terminal
Dicas
18 visualizações
18 visualizações

Como baixar o novo Windows Terminal

Carlos L. A. da Silva - 26 de junho de 2019