0 Compartilhamentos 740 Views

10 anos de Bing e por que ele ainda existe

23 de agosto de 2019

O mecanismo de busca Bing comemorou seu décimo aniversário em 3 de junho desse ano. Se fosse não percebeu a passagem do tempo ou se nós demoramos dois meses para sequer mencionar o aniversário, esses são dois sintomas da aparente pouca importância da ferramenta no cenário atual das buscas, dominadas amplamente pelo rival Google.

Entretanto, por trás dos panos, nos bastidores da tecnologia da Microsoft, o Bing é um acervo muito mais relevante do que a gente imagina e um agente fundamental na evolução do ecossistema das buscas, da Inteligência Artificial e do marketing e é necessário esse artigo para entendermos os motivos.

Senta que lá vem história

A princípio, temos a impressão de que o Bing é uma reação ineficiente e desnecessária contra a predominância de um produto rival, um reflexo da mesma cultura da Microsoft que gerou soluções desenvolvidas internamente que ninguém pediu, como Windows Phone, Internet Explorer ou o infame Microsoft GIF Animator. Reza a lenda que a obsessão da empresa por um mecanismo de busca foi uma cruzada pessoal de seu antigo CEO, o performático Steve Ballmer, que investiu rios de dinheiro para tentar derrubar o Google, sem sucesso.

O Bing não foi a primeira iniciativa da Microsoft nessa direção. Mais de dez anos antes, a empresa já possuía a solução MSN Search, que empregava tecnologias da Inktomi, Looksmart e AltaVista para entregar resultados de busca para os usuários de seu portal MSN. Como todos os produtos dessa geração, o MSN Search mudaria de nome para Live Search, mas não de propósito ou de motores.

A Microsoft só começaria essa guerra perdida contra o Google a partir de 2005, quando a empresa passou a adotar seus próprios indexadores para navegar pela internet e montar um banco de dados para busca. Nesse primeiro momento de independência, ela ainda adotaria recursos de terceiros para indexar imagens e uma rede de publicidade também externa, mas um ano depois já teria tecnologia necessária para identificar imagens e ergueria o MSN adCenter para gerenciar soluções de publicidade.

Em 2007, a Microsoft deu mais um passo para uma direção que mudaria seu futuro: Satya Nadella, engenheiro de desenvolvimento com anos de experiência na casa, foi designado para liderar o time recém-formado de Busca e Plataformas de anúncios.

A primeira medida de Nadella foi desvencilhar o buscador da marca “Microsoft” e fundar o Bing. O novo e mais moderno buscador substituiria em definitivo o Live Search em 3 de junho de 2009. O novo nome simbolizava o som em nossas cabeças “quando pensamos sobre esse momento de descoberta e tomada de decisão – quando você resolve essas tarefas importantes”.

Nadella ao resgate!

É claro que, com ou sem tecnologia Microsoft, com ou sem “Microsoft” no nome, o buscador nunca chegou perto de ameaçar a preponderância do Google no mercado de pesquisas. Por mais que Ballmer desejasse o contrário, por mais que o Bing tenha sido o protagonista de uma pesada campanha de marketing (quem lembra de”Bing it on“?), isso nunca aconteceu.

Na verdade, no processo de sucessão de Ballmer, por muito pouco, o Bing não foi descontinuado. Stephen Elop, ex-CEO da Nokia na época e forte candidato a substituir Ballmer no comando da Microsoft, tinha a firme convicção de que aquela era uma iniciativa sem futuro e o Bing deveria ser vendido. Paul Allen, um dos fundadores da Microsoft, apoiava essa decisão. E, de fato, a Microsoft teria chegado a oferecer a ferramenta de busca para o Facebook, após uma bem-sucedida parceria, mas Mark Zuckerberg teria recusado a compra.

Porém, o jogo virou. Ninguém menos que Satya Nadella, que conhecia o potencial do Bing como a palma de sua mão, assumiu a liderança da Microsoft e a ferramenta de busca ganhou uma sobrevida inesperada. Não por sentimentalismo ou corporativismo com seu antigo time, mas porque Nadella realmente acreditava em novos caminhos tanto para a Microsoft quanto para o Bing. E a visão dele estava certa: um ano e meio depois de Nadella se tornar CEO, o Bing passou a dar lucro.

Assim como o Hotmail foi um balão de ensaio para muitas transformações que aconteceram nos bastidores da Microsoft, o Bing foi a ponta de lança para avanços significativos em Inteligência Artificial e aprendizado de máquina, que seriam depois distribuídos para produtos como Windows 10, Xbox, Azure, Office 365 e Cortana.

O Bing agora

Para aqueles poucos usuários que permaneceram fiéis ao Bing como sua ferramenta de busca, foi possível enxergar a evolução que acontecia em seus algoritmos, com resultados mais precisos, principalmente em reconhecimento de imagens. Testes cegos feitos com usuários do Google mostraram e continuam mostrando que atualmente é extremamente difícil discernir o nível de relevância entre as duas plataformas. Para todos os fins, depois de muitos anos, o Bing se tornou competitivo, ainda que o mercado ignore solenemente suas qualidades.

Se os usuários continuam ausentes no mecanismo de busca, ele se tornou um importante recurso para especialistas em busca e otimização. Ao contrário do Google e seu sistema hermético, a Microsoft disponibilizou a API do Bing de forma pública. Seu nível de transparência e respeito pela privacidade permitiu o surgimento, por exemplo, de soluções terceirizadas de impacto, como o DuckDuckGo. Além disso, suas ferramentas são empregadas para testes de SEO em larga escala que não seriam possíveis através do Google.

Segundo Russ Jones, cientista de busca da Mozilla:

Sem o Bing, não haveria uma API viável centrada na privacidade. De todas as coisas que o Google forneceu, eles nunca (nem jamais irão) fornecer um mecanismo de busca que respeite totalmente a privacidade de seus usuários. Mas a API de pesquisa da Web do Bing abriu as portas para participantes como a DuckDuckGo, que pode criar uma experiência privada e segura para os usuários usando um mecanismo de pesquisa de classe mundial, sem usar técnicas invasivas de privacidade para financiar os negócios. É difícil expressar a importância do Bing em relação a isso

Em outras palavras, Nadella enxergou diversos cenários onde seria possível para o Bing vencer o monolítico Google.

Outra frente em que o Bing e seu ecossistema tem se saído muito bem é na publicação de anúncios, arrancando elogios de agentes do setor de publicidade. O antigo MSN adCenter há muito atende por Microsoft Ads e tem uma clientela cativa. A partir da compra do LinkedIn, a Microsoft passou a ter acesso a um volume muito grande de informações pessoais que pode ser utilizado para montar perfis de consumidores e exibir propagandas direcionadas com precisão milimétrica, em uma estratégia muito similar à adotada por Google e Facebook. De certa forma, pode-se dizer que a Microsoft não dá ponto sem nó, mas todas essas estratégias da empresa estão, de alguma forma, conectadas com a plataforma Bing e suas tecnologias.

Em seu décimo aniversário, ironicamente, o Bing se tornou um mecanismo de busca capaz de concorrer com o Google, apesar de isso não acontecer. Mas ele é muito mais do que uma caixa de busca no centro da tela: ele é uma importante ferramenta nos bastidores, no centro da estratégia implementada por Satya Nadella para a Microsoft.

Carregando...

Você pode se interessar

Influenciadores digitais que não existem
Artigos
59 visualizações
Artigos
59 visualizações

Influenciadores digitais que não existem

Carlos L. A. da Silva - 2 de dezembro de 2021

Na era da pós-verdade, influenciadores que não são reais estão ganhando espaço para uma multidão que quer ser influenciada

Pais criam aplicativo de código aberto melhor que o da escola, mas a polícia é acionada
Artigos
196 visualizações
Artigos
196 visualizações

Pais criam aplicativo de código aberto melhor que o da escola, mas a polícia é acionada

Carlos L. A. da Silva - 23 de novembro de 2021

Aplicativo oficial do sistema educacional da capital Suécia era ruim demais, mas a lei é a lei...

10 recursos HTML5 úteis que você pode não estar usando
Artigos
449 visualizações
Artigos
449 visualizações

10 recursos HTML5 úteis que você pode não estar usando

Carlos L. A. da Silva - 6 de novembro de 2021

O HyperText Markup Language nos acompanha desde os primórdios da web. É o seu tijolo mais básico. Podem surgir novas tecnologias, plugins, frameworks, conteúdo rico, mas o bom e velho HTML continua sendo a base de tudo e aprender seus mais profundos nuances é fundamental para os desenvolvedores. O HTML5 é a implementação atual da […]

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

O Metaverso está vindo?
Artigos
511 visualizações
511 visualizações

O Metaverso está vindo?

Carlos L. A. da Silva - 1 de novembro de 2021
Por que eu decidi não migrar para o Windows 11 agora
Artigos
618 visualizações
618 visualizações

Por que eu decidi não migrar para o Windows 11 agora

Carlos L. A. da Silva - 19 de outubro de 2021
Sir Clive Sinclair, o homem adiantado no tempo
Artigos
914 visualizações
914 visualizações

Sir Clive Sinclair, o homem adiantado no tempo

Carlos L. A. da Silva - 18 de setembro de 2021