0 Compartilhamentos 853 Views

20 anos de Google

17 de setembro de 2018

Tecnicamente falando o Google tem mais de 20 anos, mas ninguém sabe precisar o momento exato em que ele começou. Teria sido em 1995, quando Larry Page (23 anos) e Sergey Brin (22 anos) se conheceram nos corredores da universidade norte-americana de Stanford, mas não simpatizaram de imediato um com o outro? Ou teria sido em janeiro de 1996 quando a dupla já estava antenada o bastante para começar a trabalhar junto em um “projetinho” inicialmente chamado de BackRub e que iria mudar a forma como interagimos com a internet, com a publicidade, com dispositivos móveis e mais? Ou quando o domínio google.com foi registrado pela primeira vez, em setembro de 1997?

Para todos os fins, a data mais aceita é a data de 4 de setembro de 1998, quando o projeto de estudantes de graduação se tornou uma empresa registrada, a Google Inc., dando início a um império de tecnologia que se expandiria e muito pelas duas décadas que viriam.

Do campus para o mundo

O famoso paper original que definiria o algoritmo do Google (e disponível até hoje hospedado nos servidores de Stanford) é uma das peças matemáticas mais influentes do século e nasceu a partir de uma constatação genial: relevância em resultados de buscas não é algo que constrói, mas algo que se conquista. Enquanto buscadores de sucesso no final dos anos 90 se baseavam na análise do que estava escrito na página, avaliando o peso da presença de palavras-chave e sendo facilmente iludidos por parâmetros META falsificados e repetições embutidas, o Google pensava fora da caixa:

O PageRank trabalha contando o número e a qualidade dos links para uma página para determinar uma estimativa aproximada da importância do site. O pressuposto subjacente é que sites mais importantes provavelmente receberão mais links de outros sites.

Embora o conceito de PageRank tenha sido manipulado, modificado, manipulado novamente e novamente modificado ao ponto de se tornar quase obsoleto nas engrenagens do mecanismo de busca, na época do seu lançamento ele foi o diferencial que garantiria a hegemonia na internet para o projeto de Brin e Page.

Mas esse foi um processo lento. Muito lento.

Nos seus primórdios, o Google funcionava no endereço google.stanford.edu e a rede de dados acadêmica era capaz de dar conta do volume de pesquisas efetuada. Se essa informação parece inacreditável quando pensamos no alcance do volume do Google de hoje, o que dizer do primeiro “data center” do mecanismo de busca, construído no dormitório de Larry Page e usando um gabinete feito de Legos?

Sim, o Google funcionava aqui.

Com tudo testado e funcionando, a dupla de empreendedores iniciou a parte mais difícil de seu projeto: obter um financiamento para expandir. Page e Brin por um lado tiveram a sorte de ter um produto poderoso em mãos em um momento em que a bolha da internet estava no seu ápice e capital fluía na direção de qualquer projeto com uma mínima chance de retorno. Por outro lado, eles tinham o azar de ter um produto que não era nem chamativo nem fácil de explicar. Enquanto lojas virtuais que abusavam de Flash e 3D conseguiam milhões de dólares, o Google encontrava somente portas fechadas.

David Filo, um dos fundadores do Yahoo, declarou explicitamente que gostou do que viu, mas que os dois rapazes deveriam procurá-lo novamente somente quando o Google estivesse mais maduro. Três anos depois, o Google se tornaria o mecanismo de busca padrão do Yahoo e cinco anos depois a empresa ofereceria 3 bilhões pela compra do Google e seria esnobada.

Entretanto, Filo não estava sozinho em sua rejeição. Doug Cutting, arquiteto sênior do mecanismo de busca Excite, afirmou: “eu não fiquei nem um pouco impressionado com a demonstração deles”. “Eu falei para eles catarem cavacos”, declarou Steve Kirch, fundador do InfoSeek. Nenhuma destas ferramentas de busca sobreviveria mais uma década sobre o domínio do Google.

Sergei Brin e Larry Page não se deixaram abater. Prepararam um plano de negócios, criaram um nome fictício de empresa e resolveram bater diretamente na porta de investidores. Se não podiam vender sua tecnologia para mecanismos de busca já estabelecidos, eles iriam criar seu próprio buscador. Deram a sorte de encontrar Andy Bechtolsheim, um dos fundadores da Sun e um poderoso investidor na época. Reza a lenda que Bechtolsheim estava com pressa para outro compromisso e não podia assistir a demonstração inteira, então assinou um cheque de 100 mil dólares em nome da Google Inc e prometeu discutir os detalhes depois.

Nesse momento, não havia Google Inc alguma e o cheque ficou um bom tempo parado na gaveta. A tal discussão de detalhes tampouco aconteceu, mas o primeiro passo havia sido dado. O capital inicial acabou sendo levantado com amigos e parentes e a dupla fundou a Google Inc em 4 de setembro de 1998 e se mudou dos dormitórios de Stanford… para uma garagem desocupada no Vale do Silício.

Naquela primeira semana de setembro, vinte anos atrás, a revista PC Magazine publicou uma matéria de capa dedicada aos “portais mais quentes da internet”. Nomes como Altavista, Excite, Infoseek, Lycos e Netcenter eram elogiados por seus recursos de busca e muitos eram glorificados como a página inicial de internet de muitos usuários. Google não era sequer mencionado na matéria e nem poderia, mas o tempo determinaria qual página acabaria sendo o ponto de partida de milhões de usuários do Chrome, o navegador mais popular dos dias atuais.

Mesmo o jornal Stanford Daily só dedicaria espaço para o mais famoso buscador de seus alunos um ano depois, em uma edição de 1999.

A “próxima grande start-up de Internet de Stanford”? Com certeza.

Google e eu

Eu ainda lembro quando tive meu primeiro contato com o Google, em algum momento do ano 2000, quando um colega de trabalho mostrou para a gente um mecanismo de busca “novo” muito mais rápido que os demais. Em uma sala de escritório, com profissionais de TI de diferentes bagagens, diferentes experiências de vida e formações, apenas um conhecia esse tal de Google. Mas, daquele momento em diante, todos aderiram em peso ao novo buscador.

É preciso entender que naquela época era comum você digitar um termo de pesquisa no Altavista ou no Yahoo e precisar aguardar vários segundos por um retorno de resultado. É algo inadmissível na web moderna, mas era assim que funcionava. Então, a primeira coisa que se destacou no Google foi sua velocidade: você digitava a busca e o resultado aparecia “na hora”. Relevância era algo que descobrimos depois, mas a velocidade foi o que nos convenceu. O algoritmo de Brin e Page era capaz de recuperar respostas muito mais rápido que a concorrência.

É claro que houve um período que o Google estava infestado de spam. Webmasters aprenderam a manipular seus resultados e pornografia abundava, assim como o famigerado google bombing. Mas outro detalhe que afastava o Google dos demais era que seu algoritmo não era e não é algo estático gravado em pedra. Ele está em constante evolução para oferecer resultados que seguem impressionando vinte anos depois. Ele aprendeu a interpretar contexto, aprendeu (para o bem ou para o mal) a customizar respostas de acordo com o usuário que as pergunta, derrubou sites, levantou sites, em uma dança que tornou o SEO uma complicada mistura de ciência e adivinhação.

É difícil imaginar a web sem o Google atualmente. Seu principal concorrente, o Bing, se esforça, mas seus resultados ainda trazem um ranço de imprecisão. Há alternativas ao buscador do Google, mas ele segue em sua hegemonia e “taca no Google” se incorporou ao nosso vocabulário.

Enquanto empresa, a Google Inc se tornou um gigante muito distante de suas origens modestas. Muitos diriam que também se tornou muito distante do seu lema original: o simples, mas efetivo “não seja maligno”. Com ligações estranhas com o desenvolvimento de Inteligência Artificial militar e com funcionários atuando como consultores do Pentagono ou do governo norte-americano, não estamos mais falando de um projeto acadêmico.

Mas a busca… bem, essa permanece impressionando.

Cronologia de um colosso

1998: Bechtolsheim não foi o único investidor no começo do Google e Brin e Page também conseguiram somar mais de US $ 1 milhão com a ajuda do professor de Stanford David Cheriton e Ram Shriram (do comando executivo da Netscape). Jeff Bezos, da Amazon, também apostou suas fichas na empresa.

1999: Já com US$ 25 milhões em seus cofres, o Google sai da garagem de Susan Wojcicki e se muda para Mountain View, na Califórnia. Uma negociação de venda para a Excite fracassa diante da oferta baixa.

2000: O Google assume o mecanismo de busca do Yahoo. O primeiro Doodle vai ao ar, celebrando o festival cultural The Burning Man.

2001: Eric Schmidt, ex-chefão da Sun Microsystems, se junta ao Google no cargo de presidente. Mais tarde assumiria a posição de CEO.

2002: Lançamento do Google News. No mesmo ano, o Yahoo tenta comprar a empresa por 3 bilhões de dólares, mas a oferta é recusada.

2003: Google adquire o Blogger, um dos primeiros promotores de blogs e hospedagem de blogs. A empresa também lança o Google AdSense, que se tornaria um gigante no mercado publicitário e uma das principais fontes de faturamento por anos a fio.

2004: IPO do Google levanta US$ 1,67 bilhão. No mesmo ano, é inaugurado o Gmail, um serviço de webmail que trazia 1GB de espaço de armazenamento, cerca de 100 vezes o padrão oferecido na época. Esse armazenamento seria dobrado no ano seguinte.

2005: Com o surgimento do Google Maps e do Google Earth, a empresa entra com força total no mercado de mapeamento. Em uma nova oferta pública de ações, são arrecadados mais US$ 4 bilhões.

2006: O ano marca a aquisição do YouTube e o lançamento do Google Docs e Spreadsheets, dois novos mercados onde a empresa atingiria uma posição singular.

2007: O sistema operacional para dispositivos móveis Android começa a ser distribuído para desenvolvedores. No mesmo ano, o Google compra a rede de publicidade online DoubleClick e amplifica o alcance de sua própria plataforma de anúncios.

2008: O navegador Chrome estreia no mercado e chega ao consumidor o primeiro smartphone equipado com o sistema Android.

2009: O Google começa o desenvolvimento de veículos autônomos.

2010: Nexus One chega ao mercado: o primeiro smartphone desenvolvido pelo Google. No mesmo ano, a empresa começa uma iniciativa para estender a oferta de acesso por fibra ótica nos Estados Unidos.

2011: Lançamento do Chromebook, baseado no sistema operacional Chrome OS. A divisão móvel da Motorola passa a fazer parte da família de empresas Google. Larry Page assume o cargo de CEO do Google.

2012: Google Glass é demonstrado pela primeira vez para o público com sua proposta de levar Realidade Ampliada para as massas.

2013: Waze é adquirido pelo Google. Chromecast é apresentado.

2014: Nest é mais uma empresa que passa a fazer parte da família Google, colocando a empresa no mercado de automação residencial.

2015: A família Google passa a ser organizada sob a holding Alphabet, Inc. Google volta a ser um nome utilizado principalmente para a divisão de buscas da empresa. Sundar Pichai assume o cargo de CEO.

2016: Google Home é o passo seguinte para conquistar o ambiente doméstico, com um assistente de Inteligência Artificial baseado em voz.

2017: A divisão de veículos autônomos, batizada de Waymo, processa o Uber, por espionagem industrial. Uber aceita um acordo para encerrar o caso na Justiça.

2018: Google é processado pela União Europeia por práticas monopolistas relacionadas ao sistema operacional Android.

Carregando...

Você pode se interessar

Enumerando e analisando mais de 40 implementações de JavaScript (que não são V8)
Artigos
158 visualizações
Artigos
158 visualizações

Enumerando e analisando mais de 40 implementações de JavaScript (que não são V8)

Carlos L. A. da Silva - 6 de outubro de 2021

V8 é o interpretador JavaScript, também chamado de máquina virtual Javascript, desenvolvido pela Google e utilizado em seu navegador Google Chrome. Com o peso de seus criadores e a quase onipresença do navegador, foi apenas uma questão de tempo para essa implementação do JavaScritp se tornar dominante no mercado. Entretanto, um bom desenvolvedor sabe que […]

Sir Clive Sinclair, o homem adiantado no tempo
Artigos
342 visualizações
Artigos
342 visualizações

Sir Clive Sinclair, o homem adiantado no tempo

Carlos L. A. da Silva - 18 de setembro de 2021

O inglês Clive Marles Sinclair nasceu de uma família de engenheiros. Seu avô foi engenheiro, assim como o seu pai. Com um talento natural pela Matemática e um forte interesse em eletrônica, ele se tornaria uma página importante da popularização da computação em diversas partes do mundo, construindo um legado que se perpetuará por anos […]

A cibersegurança por trás das vacinas
Artigos
445 visualizações
Artigos
445 visualizações

A cibersegurança por trás das vacinas

Carlos L. A. da Silva - 7 de setembro de 2021

Vacinas contra o coronavírus contam com aparato sofisticado de cibersegurança que bateu de frente com tentativa de ação de hackers.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Mais publicações

Top 25 comandos do Git
Artigos
583 visualizações
583 visualizações

Top 25 comandos do Git

Carlos L. A. da Silva - 28 de agosto de 2021
Dez anos de Kotlin: origens e futuro
Artigos
629 visualizações
629 visualizações

Dez anos de Kotlin: origens e futuro

Carlos L. A. da Silva - 20 de agosto de 2021
10 jogos que todo programador deveria conhecer
Artigos
997 visualizações
997 visualizações

10 jogos que todo programador deveria conhecer

Carlos L. A. da Silva - 1 de agosto de 2021