0 Compartilhamentos 160 Views

Facebook pede desculpas por recurso de retrospectiva mostrar memórias dolorosas

29 de dezembro de 2014

Todo ano o Facebook revela um recurso para que usuários vejam como foi seu ano. Em 2014, a rede social lançou o “Year in Review”, que juntava as fotos mais curtidas e vistas no seu perfil. Embora muitos tenham curtido a ferramenta, alguns tiveram que lidar com memórias dolorosas.

O algoritmo que o Facebook usou para destacar as fotos mais curtidas não permitia aos usuários escolher quais gostariam de destacar, o que significa que muitas lembranças tristes apareceram para alguns.

O escritor e consultor de web design Eric Meyer escreveu em seu blog que, por ter perdido sua filha de seis anos para um câncer no cérebro em 2014, seu ano não tinha sido “muito bom”.

Recurso do Facebook lembra pai da morte de sua filha

Recurso do Facebook lembra pai da morte de sua filha

“Para aqueles que viveram a morte de entes queridos, ou passaram um tempo prolongado no hospital, ou encararam um divórcio ou perda de um emprego ou de qualquer uma das centenas de crises [que aconteceram], nós podemos não querer rever esse ano”, Meyer escreveu. “Me mostrar o rosto da Rebecca e dizer: ‘Aqui está como foi o seu ano’ é chocante. Parece errado, e vindo de uma pessoa real, seria errado. Vindo de códigos, é apenas infeliz”, explicou.

Jonathan Gheller, gerente de produtos do Facebook, disse que entrou em contato com Meyer e pediu desculpas por qualquer dor que o post causou. “[O app] foi incrível para muitas pessoas, mas é evidente que, neste caso, trouxe tristeza ao invés de alegria. É um feedback valioso”, disse Gheller. “Nós podemos fazer melhor – eu sou muito grato que ele tirou um tempo no seu luto para escrever o post”, finalizou.

Depois de seu post ser compartilhado por muitos, Meyer publicou um novo texto afirmando que ficou surpreso pela repercussão de suas palavras e do seu caso. No texto, ele confirma que recebeu um e-mail de Gheller com um pedido de desculpas, e lamentou as pesadas críticas que foram direcionadas à equipe do Facebook.

“Sinto muito que eu tenha jogado a internet em suas cabeças neste Natal. Ele (Gheller) e sua equipe não mereciam isso”, escreveu Meyer, apontando que o Facebook não está sozinho e que essas situações “acontecem o tempo todo, em toda a web”.

Rebecca Meyer foi homenageada este ano ao batizar oficialmente uma das variações da cor púrpura, sua favorita, no CSS. HTMLers e webdesigners podem digitar “RebeccaPurple” em suas folhas de estilo e os navegadores interpretarão a cor corretamente.

Você pode se interessar

Promoções de Jogos do Final de Semana (24/01)
Notícias
9 visualizações
Notícias
9 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (24/01)

Carlos L. A. da Silva - 24 de janeiro de 2020

Confira as melhores ofertas de jogos de PC para o final de semana.

Como criar uma janela modal sem JavaScript
Dicas
20 visualizações
Dicas
20 visualizações

Como criar uma janela modal sem JavaScript

Carlos L. A. da Silva - 23 de janeiro de 2020

Basta usar CSS e ID da âncora para conseguir o mesmo resultado! Não acredita? Nós te ensinamos.

50 anos de Unix e o Y2K38
Artigos
14 visualizações
Artigos
14 visualizações

50 anos de Unix e o Y2K38

Carlos L. A. da Silva - 21 de janeiro de 2020

Sistema operacional completou meio século em outubro passado, mas primeiro de janeiro de 2020 marcou uma data muito importante.

Mais publicações

Promoções de Jogos do Final de Semana (17/01)
Notícias
17 visualizações
17 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (17/01)

Carlos L. A. da Silva - 17 de janeiro de 2020
Dez habilidades essenciais para desenvolvedores em 2020
Artigos
20 visualizações
20 visualizações

Dez habilidades essenciais para desenvolvedores em 2020

Carlos L. A. da Silva - 16 de janeiro de 2020
Promoções de Jogos do Final de Semana (10/01)
Notícias
25 visualizações
25 visualizações

Promoções de Jogos do Final de Semana (10/01)

Carlos L. A. da Silva - 10 de janeiro de 2020
A IA do Google derrubou o câncer de mama? Não exatamente
Artigos
26 visualizações
26 visualizações

A IA do Google derrubou o câncer de mama? Não exatamente

Carlos L. A. da Silva - 10 de janeiro de 2020